PÁGINAS

domingo, 27 de março de 2011

Canto das Perdizes

Na sombra de uma árvore
quero me abrigar
Sob asas de pássaros
Pousar de leve
meus pés na lama
e olhar estrelas.
E quero ouvir
no útero da terra
o rumor surdo
que clama o nascer
de novas raízes
Quero sentir
O charco, o tambor
a lama, o barro
o olho azul do sol
e antever como
se faz o raiar do
amanhecer no
canto de perdizes.

CANTO GRIS em um diálogo com Paulo Carvalho

3 comentários:

Raíz disse...

Nossa Taninha! Que honra para mim estar aqui.

Este canto das "perdizes" é como um filho. Não fiz pensando e quando postei me surpreendi. Isso acontece muito comigo e espero que com você também!

Beijos, querida e obrigada mesmo!

Mirze

Tania disse...

Mirze,

teus poemas são todos muito bonitos e expressivos. Este, desde que li, me apaixonei.

Você pinta uma tela linda e viaja do "útero da terra" às estrelas. Fala de sol, lama, raizes e perdizes...

Ah... Eu amei!! Parabéns, querida. Bjs!

cacau.cristina11 disse...

espaço de pessoas queridas :)

muito bom!

beijos pras duas

G.