PÁGINAS

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Um Poema de Raul Motta

TAHRIR


a praça é o ponto
o centro
de tudo

a praça é o tempo
que corre
o alento

a praça é o eixo
incerto
do novo

a praça é o fluxo
que corre
à margem

a praça é o ventre
o abrigo
alimento

a praça é o vômito
do mundo
profundo

a praça é o sonho
a soma
que somos

a praça é o vértice
a ponta
da lança

a praça é o vórtice
a festa
a dança

a praça é o fogo
o furor
que consome

a praça é o todo
é toda
do povo



Mais do poeta Raul Motta em seu blog  Há Palavra

4 comentários:

Tania Anjos disse...

"a praça é o eixo
incerto
do novo"


"a praça é o todo
é toda
do povo"


Um poema e tanto! Grande palco a praça Tahrir!

E os capítulos seguem...

Bela escolha, Marcantonio. Parabéns ao poeta Raul Motta.

Abraços!

MIRZE disse...

Lindo poema!

A praça é tudo isso e muito mais

Beijos

Mirze

Raul Motta disse...

Prezados[as],

grato pela acolhida do meu "Tahrir", em muito boa companhia e sentindo-se totalmente "em casa": um poema que fala da força do coletivo publicado num blog coletivo!

Fiz uma postagem no meu há palavra em agradecimento:

http://hapalavra.blogspot.com/2011/09/dialogos-constelares.html

Abraços, bons caminhos a todos!

Tania Anjos disse...

Muito obrigada, Raul Motta.

"Guardar" seu poema aqui em nosso blog foi um prazer!

Abraços.