PÁGINAS

sábado, 25 de agosto de 2012

QUATRO POEMAS DE CRIS DE SOUZA



A criatura em perigo

muda de cor
a oração
como um reles
camaleão.

Monstruosa madrugada

dou voltas pela casa
casa envolta em sono

mas que acorda
um monstro 
 mais que a corda
em meu pescoço
  

Latim de longa data

feito um romance
que ficasse em aberto            
e perto do peito
desperto

feito um romance
que ficasse em aperto           
e parte do peito
deserto

por ser lento por dentro:
sem  temer desde cedo?

por se lido por dentro:
sem temer o desfecho?
Haicai acordado

no correr da insônia
sonâmbula é a sombra
                  dos meus dedos
 

Encontre mais da poesia de Cris AQUI e ALI


7 comentários:

Tania Anjos disse...

Que beleza os poemas de Cris de Souza!
Na minha percepção: ludicidade, lirismo, intimismo, criticismo, numa leveza energizada!

Amei!

Marcantonio disse...

Muito bem definido, Tânia! Características notáveis da poesia da Cris.

Beijo.

Daniela Delias disse...

Eu adoro o ritmo da Cris...
Beleza pura.

Bjos!

Cris de Souza disse...

Adorei ver meu latim figurar neste espaço. Ainda mais, vindo de Marcantonio, poeta que tanto admiro.

Obrigada, mago!

Beijo a todos.

(estive fora da área de cobertura, por isso a demora)

Tania Anjos disse...

Bem-vinda, Cris de souza!

Abraço grande!

Tania Anjos

Assis Freitas disse...

poemas de Cris: bis, bis


beijo

Luiza Maciel Nogueira disse...

muito bem escolhidos

beijos