PÁGINAS

sexta-feira, 14 de junho de 2013

A Poética Profunda de Sant Anna

(Fotografia: Cris de Souza)


Suíte para uma pisciana numa indisfarçável  baía

I
Acalenta, sim. 
Acalenta. 

Quando disfarço, 
é para dizer o contrário 
como se 
me arrancassem a língua, 

mas qualquer outra coisa 
que o diga 
poderia atrapalhar 
a separação do joio do trigo, 

e não seria para menos 
se o tanto  que te falei 
ou o tanto que te pedi 
não fizesse o vento 
tão peremptório 
atrapalhando 
a conjunção das borboletas. 

Mas estamos quites. 


II
As sereias  
nunca negaram a entranha 
que não ostentam. 

Despi-las,
sempre foi 
um estranhamento. 

Sempre foi  um nexo absurdo 
no mundo oblíquo dessas sacerdotisas. 


III
Além de ti, 
a última sentença que prolato, 
entretanto,  é minha discreta mão 
singrando o vento fosco 
e morrendo infinda  no limite 
da sua baía.

(José Carlos Sant Anna)

* O autor escreve AQUI.

11 comentários:

António Eduardo Lico disse...

Bela sequência de poesias.

José Carlos Sant Anna disse...

Adorei a tua generosidade, este carinho com um poeta bissexto.
Agora espalho meu agradecimento em toda parte, ouça as trombetas, Cris...
beijos, caríssima!

Joelma B. disse...

este poeta eu acompanho e a lira agradece!

Beijos!

Tania regina Contreiras disse...


Este leio aqui, ali e acolá: salve, poeta!

Beijos,

Tania Anjos disse...

Coisa boa, Cris!!

Conheci e gostei imensamente da poesia de José Carlos Sant Anna!

Abraços aos dois poetas.

Assis Freitas disse...

poética de alta linhagem do Zé Carlos,


abraços e beijos

José Carlos Sant Anna disse...

Agradeço a todos a generosidade do olhar, a amizade e o carinho. Particularmente, à Caríssima (Cris).
Abraços para o Assis e beijos para as moças!

Nilson Barcelli disse...

Gostei da escolha. É um magnífico poema.
Tem um bom fim de semana.
Beijo.

Eleonora Marino Duarte disse...

um passeio pela emoção. intenso, rico, profundo


maravilha de poeta!


abraços para todos.

José Carlos Sant Anna disse...

Obrigado, Eleonora, pelo teu olhar. Também sou admirador do seu texto.
Abraço,

Cris de Souza disse...

Gosto desse clima de confraternização.

Beijos a todos!