PÁGINAS

terça-feira, 11 de junho de 2013

"Em verdade A vida Rotina enrolada Na bobina"


TIRO DE CANHÃO CONTRA TICO-TICO

Não há nada
Que eu veja
Ao derredor
Que não seja
Muralha circular
Sem portal
Diâmetro
Minúsculo
Alicerce na terra
Cornija no céu

É certo
Que a vida
Não me prometeu
Delicatessens
Delícias
Mas
Milícias
Também não

Por que
Então
Prisão
De segurança
Máxima
Quando
Liberta
Eu não conseguiria
Caminhar
Um milímetro
De raio
Fosse
Em qualquer
Direção
Tendo por centro
Minha tenda?

A priori
Estou
Vencida


MERA POESIA DE VIDA

Jangada
Ao sabor 
Do vento:
Este
Meu conceito
De vida

Içada
A vela
Aflita
(Tecido gasto
Puído
A suplicar
Cerzido)
Vai seguindo
Singrando
Sangrando
Malgrado
Todo
E qualquer risco

(Mar revolto
Mar vivo:
Antes fosse morto)


TARDE TATUADA

No quintal 
Do Olegário
Um bem-te-vi 
Solitário
Cisma

Pensativo
Estático
Como se 
Empalhado
Fosse

Doce imagem:
Tatuagem 
Estampada
Bem no peito 
Da tarde


CINEMA

Filme Noir
Muito preto
Algum branco
Pouco cinza
Nenhuma profundidade
Assim tem sido
Em verdade
A vida
Rotina enrolada
Na bobina

Onde projetar?


*


Poemas e telas de Zélia Guardiano, retirados da sua página no facebook. A autora publicou os livros Poesia combina com tudo (2011) e Trem-bala (2012). Leia mais em seu blog: Ad Litteram - Zélia Guardiano.

8 comentários:

Zélia Guardiano disse...

Fiquei muito feliz, Lara! Grata, querida! Mil beijos carinhosos

Lara Amaral disse...

De nada, Zelinha! Gosto dessa variação de versos na sua poesia, do jogo de palavras... funciona muito com sua leveza. Beijo.

Tania regina Contreiras disse...

Salve, Zélia!!!!

Beijos,

Domingos Barroso disse...

é de profunda emoção
tais almas...


Tania Anjos disse...

Transmissão de pensamento, Lara!

Estava flertando com os belos poemas da poetisa Zélia Guardiano para trazê-los aqui.

Maravilha!!

Abraços Zélia!

Assis Freitas disse...

parabéns Zélia querida

Cris de Souza disse...

Evoé! Dá gosto de ver tamanha desenvoltura...

Beijos.

Joelma B. disse...

Zélia tem lira nas ventas!

Beijos!