PÁGINAS

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Que não haja nenhuma alma solitária a ler um poema por essas horas.

Dois poemas 
Rossana Masiero


Duvida

Vai que esse poema
seja verso perturbado
e eu
equivocada
tento organizá-lo
Vai que esse apelo
seja vão de compreensão
enquanto arrisco
transcrevê-lo
Vai que esse ode
é anverso embaralhado
e torna-se avesso
E eu equivocada
e mal alocada
no universo
das palavras
insisto no tema
das coisas
esquivas.

Das madrugadas

Amanheço assim
desguarnecida
de dormências
Tão empoemada
e sentimental
Que meu lirismo
fende a madrugada
de desmesuras
e ensolaram de manhãs
Só sou um vórtice
onde versejam
sonhos mal dormidos
até onde se entoam
junto à vigília o
delírio das fictícias
melodias do poema.

3 comentários:

Assis Freitas disse...

belo, belos



beijo

Tania Anjos disse...



Dois belos presentes, poeta...

Beijo grande!

vieira calado disse...

Olá, boa noite, como está?
Creio ser a minha 2ª visita.
Desejo-lhe um Bom Ano de 2013, cheio de alegria e prosperidade.

Saudações poéticas!