PÁGINAS

sábado, 29 de dezembro de 2012

Um poema bestificado


O adeus é ateu?


Parto pela porta
- Porta que embaçastes
Como se fosses
Tu que me abominasses
Com o toque das mãos?


Sem situar a omissão,
Suspeito da lente
Encardida:


Vejo vozes sacudidas
Vaiando por trás do andar
Da despedida


Parto pela porta
- Porta que excomungastes
Como se fosses
Tu que me abandonasses
Com o terço nas mãos?


Sem saber a oração,
Suspeito da frente
Espremida:


Vejo vozes suicidas
Vivendo por trás do altar 
Da despedida


(Cris de Souza)



3 comentários:

Assis Freitas disse...

vozes suicidas calam o silêncio?



beijo

Tania Anjos disse...

"Vejo vozes suicidas
Vivendo por trás do altar
Da despedida"


Nossa... Muito bom!

Beijo!

Batom e poesias disse...

Não poderia melhor acompanhamento para essa triste despedida que Elis cantando "Atrás da porta".
Bjcas