PÁGINAS

domingo, 9 de setembro de 2012

O POETA CEGO

O POETA CEGO

Eis o poeta cego.
Abandonou-o seu ego.
Abandonou-o seu ser.
Por nada ser ele verseja.

Bem antes do amanhecer
em seus versos talvez se veja
diverso de tudo o que seja
tudo que almeja ser.




Poema de ANTONIO CICERO
(dê um click e visite o blog do poeta)

8 comentários:

Tania regina Contreiras disse...

Grande Antônio Cícero!

Beijos,

Tania Anjos disse...

Oi, Tania!



Sim... Quis "guardá-lo" aqui com a gente.

Obrigada por nos visitar e comentar.

Beijos!

Caroline Godtbil disse...

Quase eu...
"diverso de tudo que seja
tudo que almeja ser."
Fantástico.
Beijo.

Tania Anjos disse...

Oi, Caroline!


Quase nós...rs

Também acho esse poema incrível.

Obrigada pela visita ao blog e comentário.

beijo!

Daniela Delias disse...

Lindo, Tania!!!
Bjinhos!

Jayme Ferreira Bueno disse...

Antonio Cicero poetiza muito bem o mito do poeta cego, que vem desde Homero.

Tania Anjos disse...

Oi, Dani!
Que bom que gostou! Bjo!

Tania Anjos disse...

Prof. Jayme,

o sr. sempre nos acrescentando saberes!

Obrigada!
Abraços!